A Comunicação Como Pilar da Atuação Estratégica do Designer Instrucional

Vamos começar o artigo dessa semana com uma pergunta que pode vir como um “balde de água fria”: você já parou para pensar na comunicação como uma habilidade estratégica e consultiva em seu papel como Designer Instrucional?

Se a sua resposta foi “não”, está na hora de ajustar essa visão.

E se foi “sim”, então você já sabe o poder que a comunicação tem de transformar a simples entrega de conteúdo em uma experiência de aprendizagem rica e envolvente ao longo de todo o projeto.

A comunicação não é apenas o meio pelo qual transmitimos informação; ela é o veículo que nos permite construir relações, entender necessidades e criar soluções verdadeiramente eficazes. Em um mundo cada vez mais virtual e interconectado, a habilidade de comunicar-se claramente tornou-se uma moeda de troca inestimável.

Comunicação, a Raiz de Todo Engajamento

Entender as necessidades do seu público-alvo é apenas metade do sucesso do projeto. A outra metade é conseguir transmitir ideias de forma clara, concisa e, acima de tudo, persuasiva.

Você já parou para pensar como a “escutatória” pode mudar o rumo de um projeto?

Saber escutar ativamente faz com que as pessoas se sintam compreendidas, abrindo portas para um engajamento mais significativo.

Se você já se pegou pensando, “Por que eles não entendem? Eu expliquei tão claramente!”, saiba que o problema pode não ser a mensagem, mas como ela é entregue.

O engajamento começa muito antes da primeira palavra ser falada ou do primeiro slide ser exibido em um treinamento ou em uma reunião de alinhamento.

Ele começa com a habilidade de entrar em sintonia com seu público, um ato fundamental que  é a “escutatória” – a primeira vez que ouvi esse termo foi com o Rodrigo Leite.

A Importância da Escutatória

Escutatória é mais do que apenas ouvir; é entender o contexto, o subtexto e as necessidades não ditas. É como se você tivesse um “radar social”, captando os sinais que vão além do que é verbalizado.

Quando você realmente escuta, você ganha uma janela aberta para as preocupações, dúvidas e interesses do seu público. E isso é puro ouro quando se trata de criar soluções de aprendizagem que realmente ressoam.

Engajamento Não é Acidental

Engajar alguém não é um ato de acaso. Requer planejamento, empatia e, mais importante, uma comunicação eficaz. O engajamento é como uma dança bem coreografada entre o remetente e o receptor, onde cada passo, cada movimento, tem um propósito.

Do Ponto A ao Ponto B

E aqui entra a “jornada” que sempre falo. O engajamento é a viagem do ponto A ao ponto B, onde o ponto A é o interesse inicial e o ponto B é a ação desejada – seja ela concluir um módulo de treinamento, implementar uma nova habilidade ou simplesmente participar mais ativamente nas discussões.

Cada passo dessa jornada precisa ser guiado por uma comunicação clara e direcionada.

Então, da próxima vez que você estiver planejando uma solução de aprendizagem, não ignore o elefante na sala: a necessidade de uma comunicação eficaz como base para todo engajamento.

Afinal, uma mensagem bem comunicada não apenas é ouvida, ela é sentida, vivida e, acima de tudo, realizada.

Perguntas que Levam a Soluções

Agora que já falamos sobre a escutatória e o engajamento, quero chamar a atenção para outro pilar crucial da comunicação: a arte de questionar.

Sim, o poder das perguntas bem colocadas é mais profundo do que imaginamos. As perguntas não são apenas ferramentas para obter informações; elas são catalisadores para a mudança.

Questionar não é apenas o ato de fazer perguntas, mas sim a arte de fazer as perguntas certas.

Quem nunca se perdeu em meio a informações irrelevantes porque a questão inicial não foi clara o suficiente?

Saber questionar é vital para navegar pelo mar de dados e informações que encontramos no dia a dia.

O Poder das Perguntas Abertas

As perguntas abertas são aquelas que exigem mais do que um simples “sim” ou “não” como resposta. Elas convidam o interlocutor a compartilhar suas opiniões, sentimentos e ideias.

Isso é particularmente útil quando estamos tentando entender as necessidades de aprendizagem dos nossos públicos. Uma pergunta aberta como “O que você acha que poderia melhorar no processo atual?” pode abrir portas para soluções que você nem mesmo considerava.

Questionamento Estratégico

Mas não se trata apenas de fazer qualquer pergunta; trata-se de fazer as perguntas certas, no momento certo.

O questionamento estratégico é sobre saber quando aprofundar e quando redirecionar a conversa. É sobre criar um diálogo que leve a soluções tangíveis, e não apenas a conversas bonitas.

Soluções que transformam

As perguntas bem colocadas levam a insights, e insights levam a soluções inovadoras.

Quando o Design Instrucional é impulsionado por um processo de questionamento estratégico, podemos criar experiências de aprendizagem que não apenas ensinam, mas trazem resultados e impactam positivamente os indicadores.

Elas se tornam mais do que apenas conteúdo; tornam-se catalisadores para o crescimento e mudança.

Agora, imagine aplicar essa mentalidade questionadora na sua próxima solução de aprendizagem. Imagine como ela pode ser mais eficaz e relevante para seus alunos!

Os Fatos Não Mentem: A Importância da Comunicação Baseada em Dados

Você já ouviu a frase “Os números não mentem”?

Pois bem, o mesmo vale para os fatos bem apurados em qualquer discussão ou planejamento.

Em um mundo saturado de informações, a credibilidade e a eficácia de sua comunicação como Designer Instrucional estão diretamente ligadas à qualidade dos dados que você apresenta.

A Era da Desinformação

Em tempos de fake news e desinformação, a importância de fundamentar seus argumentos e propostas em fatos sólidos nunca foi tão grande.

Quando você embasa suas soluções de aprendizagem em dados concretos, você não apenas fortalece seu argumento, mas também constrói confiança com sua audiência.

Métricas que Importam

Mas não é só uma questão de mostrar números bonitos em um gráfico.

É sobre escolher métricas que realmente importam e que se alinham com os objetivos de aprendizagem e os resultados desejados. Isso poderia ser desde taxas de conclusão e avaliações pós-curso até métricas de desempenho no trabalho.

A chave é tornar esses números relevantes e acionáveis.

Além do “Achismo”

Sair do terreno do “achismo” e entrar no mundo dos dados é como mudar de uma estrada secundária para uma autoestrada de alta velocidade. Você chega mais rápido, com menos obstáculos e com uma direção mais clara.

Então, da próxima vez que você estiver em uma reunião defendendo seu mais novo projeto de treinamento, chegue munido de fatos.

Demonstre, através de dados concretos, o valor que suas soluções de aprendizagem podem trazer. E você verá como a conversa muda de tom e direção.

Diga o Que Precisa Ser Dito: A Arte da Comunicação Assertiva

Ok, então você já escutou atentamente, fez perguntas poderosas e fundamentou seu discurso com fatos concretos.

Mas, às vezes, o que realmente faz a diferença é a capacidade de ser assertivo em sua comunicação. Não estou falando de ser agressivo ou arrogante, mas sim de comunicar suas ideias de forma clara, direta e respeitosa.

Seja Claro e Direto

Em um mundo onde todos parecem estar sempre com pressa, a clareza é seu melhor amigo. Especialmente no campo do Design Instrucional, onde a necessidade de alinhar diversas partes interessadas é comum, ser claro e direto é crucial. Isso evita mal-entendidos e acelera o processo de tomada de decisão.

Respeite, Mas Não Agrade a Todos

Ser assertivo também significa estar ok com a ideia de que você não vai agradar a todos — e tudo bem!

O seu objetivo não é ser popular, mas sim eficaz e estratégico. Respeitar as opiniões dos outros não significa abandonar as suas.

Autenticidade é o Segredo

Uma comunicação assertiva também é autêntica. Quando você está alinhado com seus próprios valores e objetivos, sua comunicação naturalmente se torna mais assertiva.

A autenticidade ajuda a construir confiança, o que, por sua vez, torna sua comunicação mais eficaz.

Medo x Coragem

É completamente normal sentir um friozinho na barriga ao se posicionar de forma assertiva, especialmente em ambientes corporativos ou em situações novas.

Mas lembre-se, coragem não é a ausência do medo, mas sim a decisão de que algo mais é mais importante do que o medo.

Agora, você pode estar se perguntando: “Tá, entendi a importância de uma comunicação eficaz. Mas como posso colocar isso em prática?”

Conectando os Pontos: Por que a Trilha de Comunicação é Indispensável para Você

Ótima pergunta! É exatamente por isso que eu estou super animada para apresentar a nossa próxima Trilha de Comunicação em workshops.

Nela, vamos abordar cada um dos tópicos deste artigo de forma prática e aplicável:

  • Escutatória: Melhore suas habilidades de escuta ativa.
  • Questione: Aprenda a fazer as perguntas certas que levam a soluções.
  • Comunicação Baseada em Fatos: Descubra como utilizar dados de forma eficaz em suas propostas.
  • Comunicação Assertiva: Desenvolva a coragem de dizer o que precisa ser dito.

Estes workshops foram cuidadosamente projetados para abordar as nuances da comunicação eficaz que é tanto uma arte quanto uma ciência.

A trilha começa no dia 20 de setembro e se estende até 11 de outubro – será um workshop por semana, via Zoom.

Serão encontros intensos e recheados de insights que você não vai querer perder!

Então, se você está pronto para transformar suas habilidades de comunicação e, por extensão, seu impacto como Designer Instrucional, eu mal posso esperar para vê-lo lá!

👇👇👇
Clique aqui para saber mais sobre a Trilha de Comunicação e receber mais informações!
👆👆👆

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 5 =