Canvas de Briefing para projetos complexos de e-learning

Projetos complexos de e-learning pedem um briefing ainda mais colaborativo e visual. Nesse caso, o Canvas é uma das melhores ferramentas que o Designer Instrucional pode utilizar.

O Briefing é o melhor momento para que o Designer Instrucional adote um posicionamento estratégico. Ainda mais, em projetos complexos de e-learning.

Se você leu o artigo “Briefing para projetos de e-learning”, sabe que não considero aquele famoso formulário de solicitação como uma boa alternativa para iniciar o desenvolvimento de um curso.

Quando falamos sobre demandas mais complexas, o cuidado com o formato escolhido precisa ser ainda maior. 

Certo, mas o que define a complexidade do projeto?

Você pode reconhecer um e-learning como complexo pela sua relevância para a organização e pelo impacto que exerce na estratégia do negócio.

Para projetos como esse, eu recomendo a aplicação do Canvas de Briefing da forma como mostro a seguir (em situações mais rotineiras, você pode adaptá-lo segunda a necessidade, tá bom?).

Resgate a Necessidade de Aprendizagem

A primeira coisa que precisa ser feita durante o briefing e colocada no seu Canvas é relembrar o que gerou a necessidade desse treinamento e o porquê essa reunião está acontecendo.

Discutam o contexto da organização e do público-alvo. Quais são os desafios e dores que precisam ser resolvidos a partir desse curso?

Realinhe os pontos do LNT para garantir que todos estejam na mesma página.

Objetivos de Desempenho

Independente do processo de Design Instrucional que será utilizado (ADDIE, 6D’s, SAM Model, etc.), é importante ter clareza sobre os objetivos de desempenho.

Qual é o impacto que esta ação de aprendizagem terá no negócio? Qual indicador deve ser impactado? O que vai acontecer depois desse treinamento?

Objetivo de Aprendizagem

A partir do momento que você entende o motivo pelo qual vocês estão reunidos ali e qual é o objetivo de desempenho, os objetivos de aprendizagem se tornam evidentes.

Você consegue identificar qual domínio de aprendizagem e qual nível da pirâmide da Taxonomia de Bloom precisam ser trabalhados.

Sobre o conteúdo do curso

Também é no Briefing que você precisa esclarecer se o conteúdo do curso já está pronto ou ainda em desenvolvimento.

Saiba qual é o formato de conteúdo (comportamental, técnico, etc.) e quem é o especialista/conteudista responsável por ele?

Estrutura e Requisitos

Discuta com os envolvidos no projeto qual é a estrutura e os requisitos necessários para levar esse curso ao público-alvo.

As pessoas têm os recursos necessários para essa ação de aprendizagem? Por exemplo, se o público é formado por funcionários que trabalham na rua, o que eles precisam para realizar o curso?

Conheça seu Público-Alvo

Falando em público, lembre-se que quanto mais você souber sobre as pessoas impactadas pelo seu e-learning, melhor será a facilitação da aprendizagem.

Portanto, pesquise e conheça seu público-alvo…

Descubra qual é a fluência digital, se existem pessoas com deficiência (PCD’s) e quais são as limitações que você precisa contemplar na solução.

Cabe destacar aqui que, às vezes, há todo um esforço e cuidado da empresa para promover a inclusão e, ao desenvolver um treinamento, nós excluímos essas pessoas.

Por isso, é tão importante que você esteja consciente sobre para quem está falando. Vá além dos dados demográficos, saiba quais são as culturas, costumes, preferências, etc.

Entenda o Contexto

Arrisco dizer que essa é a informação mais negligenciada em reuniões de Briefing. Saber o contexto em que a empresa e os funcionários estão inseridos faz toda diferença no sucesso do projeto.

O que quero dizer com isso? Imagine que uma organização está em processo de fusão. Em cenários como esse, a incerteza é imensa, as pessoas estão inseguras e preocupadas.

Dependendo do assunto, esse não é o melhor momento para lançar um treinamento, já que o índice de adesão tende a ser baixo, certo?

Além disso, conhecendo o contexto, você consegue destacar os benefícios que o curso trará para o público, ou seja, você cuida para que a solução não seja vista como mais uma obrigação na vida dessas pessoas.

Orçamento

Sabe aquela história de orçamento zero? É aqui no briefing que você vai alinhar as expectativas com seu cliente sobre isso

Estabeleça o que pode ser desenvolvido e quais recursos podem ser contratados ou não com a verba disponível. Sempre buscando, é claro, fazer o melhor possível com o que você tem em mãos.

As 4 etapas da Experiência de Aprendizagem

Antes de qualquer coisa, vale entender se essa será uma ação pontual de treinamento ou se será necessário criar uma experiência completa de aprendizagem.

Os autores do livro 6D’s – As 6 Disciplinas que Transformam a Educação divide a Experiência de Aprendizagem em 4 etapas:

  • Preparação: aqui, você precisa pensar em formas para preparar, aquecer, lembrar e até despertar a expectativa do público pelo curso que será desenvolvido.

    Em outras palavras, pense em como será feito o convite, a divulgação do cronograma de treinamento, etc.
  • Aprendizagem: a segunda etapa é sobre a aprendizagem em si, ou seja, quais serão os formatos e as estratégias à solução (Storytelling, Gamificação, Trilha de Aprendizagem, etc.).
  • Transferência de Aprendizagem: quais técnicas e ferramentas serão utilizadas para maximizar a retenção e apoiar o público no pós-treinamento?

    Vale lembrar que “o treinamento começa quando acaba”, não é mesmo?
  • Avaliação de Resultados: esse é o momento de avaliar os resultados obtidos por meio da experiência de aprendizagem que foi desenhada e implementada.

    Houve mudanças nos indicadores desejados? Como será a comunicação desses resultados com a liderança?

Cronograma

Agora, você já tem quase todas as informações sobre o projeto no seu Canvas de Briefing.

Com base em tudo o que foi discutido até aqui, chegou o momento de propor um cronograma para o desenvolvimento dessa solução de aprendizagem.

É importante dar ênfase na duração do projeto e no impacto que cada pessoa terá para que o cronograma definido possa ser cumprido.

Alianças Estratégicas

Coloque no Canvas o nome das pessoas que serão fundamentais para promover a ação de treinamento. Elas serão o que definimos como Alianças Estratégicas.

Vamos tomar como exemplo um curso direcionado à liderança. Agora,  imagine que o CEO da companhia grave um vídeo convidando os líderes a realizarem o treinamento, percebe?

Nesse caso, colocamos o nome do CEO como uma Aliança Estratégica no nosso Canvas de Briefing. 

Papéis e Responsabilidades

Por fim, deixe visível quais são os papéis e responsabilidades de cada pessoa envolvida no projeto.

Assim, todos conseguem acompanhar as atualizações do projeto e visualizar o que precisa ser feito, até quando e por quem.

Como falamos no início do artigo, esse modelo foi pensado para reuniões de briefing de projetos mais complexos.

É uma forma mais visual e colaborativa de iniciar o desenvolvimento de um e-learning.

Veja o formato do canvas – e lembre-se: não complique, basta desenhar os blocos em uma folha de flipchart e mãos à obra!

Canvas para projetos complexos de e-learning
Criado por Soani Vargas

Espero que você tenha gostado e que te ajude durante projetos estratégicos que, naturalmente, exigem mais do Design Instrucional.

2 Comentários

  1. carlos castillo

    Muito esclarecedor seu post Soani, gostei bastante! Vou aplicar este material em algum projeto futuro, sem dúvida! Sempre é bom ter um norte que nos oriente!

    Responder
    • Soani Vargas

      Que bom, Carlos!
      Vai ser sucesso, com certeza!
      Obrigada por seu comentário.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + dezenove =